Cuidados na relação entre animais de estimação e o bebê

Os animais de estimação fazem parte da família, e é claro que queremos o melhor convívio entre eles e o bebê. Porém, como o pequeno ainda é frágil e mais suscetível a se machucar ou pegar doenças, precisamos adotar algumas medidas necessárias para essa relação ser saudável. Confira a seguir algumas dicas:

1. Ciúmes do pet com o nosso pequeno

O animal de estimação é como um irmão mais velho para o nosso pequeno. Por isso, o pet pode sentir ciúmes com a chegada do bebê, já que o centro das atenções mudou.
Para evitar este tipo de conflito, durante a gravidez prepare o amigo de quatro patas para receber o novo integrante da família. Por exemplo, se o pet não puder entrar em algum cômodo por causa do bebê, prepare-o alguns meses antes. Além disso, você pode pegar uma boneca e simular como se fosse um bebê no seu colo. Dessa forma, fará que o animal se acostume com mais um membro na casa.

2. Aproxime o animal e o bebê aos poucos

A chegada do bebê em casa será de grande emoção para todos, inclusive para o seu pet. Entretanto, a aproximação do nosso amigo com o bebê deve ser gradual e sempre sob supervisão.

3. Supervisione o seu bebê e o seu animalzinho

Quando o seu bebê estiver brincando com o seu animal de estimação, supervisione e fique atenta. Mesmo sem querer, pode acontecer do pet machucar o pequeno.
E lembre-se que além de você estar tomando as precauções certas, você se divertirá com a fofura dos dois.

4. Lave bem as mãos dos pequenos após a brincadeira

Assim como tudo, as lambidas dos animais de estimação também tem germes e bactérias. Por isso, é muito importante que você limpe as mãos dos bebês após a diversão com os pets. Além disso, é uma ótima oportunidade para mostrar ao pequeno a importância de lavar as mãos.

5. Leve o seu amigo de quatro patas ao veterinário

Os nossos animais de estimação também precisam de cuidados, mas é importante fazer exames de rotina para detectar se algo está errado com a saúde do nosso amigo de quatro patas. Por isso, leve o seu pet ao veterinário com certa frequência e não apenas quando estiver doente.

6. Se necessário, aumente a frequência do banho pet

Os nossos bebês não podem estar em constante contato com germes e bactérias, já que o seu sistema imunológico ainda é frágil. Sabendo disso, é importante que o animal de estimação esteja limpo, não só por causa da saúde do seu filho, mas para o próprio bem-estar e melhor qualidade de vida do pet.
Mas, lembre-se: banho demais pode prejudicar a saúde do seu amigo de quatro patas.

7. Sem animais na hora da refeição, ok?

Quando for a hora da refeição do seu bebê, mantenha o animal em local diferente. Por mais que conheçamos os nossos pets, eles podem ser imprevisíveis e querer pegar a comida do pequeno, ocasionando possíveis mordidas ou arranhões. Lembre-se que é melhor prevenir do que remediar, não é mamãe?

8. Mantenha o cantinho do animal sempre limpo

Para melhor qualidade de vida e bem-estar do nosso amigo peludo, é necessário manter o cantinho dele sempre limpo. Além disso, não terá tanto perigo para a saúde do seu bebê caso ele vá nesse local da casa.

9. Cada um no seu quadrado na hora de dormir!

Na hora de dormir, não deixe que o seu bebê compartilhe a mesma cama que o animal de estimação. Como dito anteriormente, os pets têm germes e bactérias, que podem ser levadas facilmente ao organismo do pequeno.
As medidas preventivas adotadas são de grande importância para a saúde do nosso filho, mas isso não significa que a relação entre o animal de estimação e o nosso bebê será ruim. Ao contrário, ela trará altas risadas e momentos de fofuras. Acompanhe o nosso blog para mais informações e dicas sobre os nossos pequenos!

Fontes:

https://www.cdc.gov/healthypets/specific-groups/children.html

Cachorro e bebê: cuidados e dicas de convivência


https://www.healthpromotion.ie/hp-files/docs/HPM00795.pdf
https://www.danonenutricia.com.br/infantil/primeiros-meses/comportamento/cuidados-com-o-recem-nascido-quando-ha-animais-de-estimacao-em-casa

Saliva de cachorro transmite doença? Mitos e verdades

  • GOSTOU? COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS: